O trabalho voluntário no INCA – Instituto Nacional do Câncer - no Rio, surgiu junto com a instituição, que completa 70 anos agora em 2007. No início era um voluntariado muito ama

dor, com senhoras que se juntavam para ajudar os pacientes. A partir da década de 50, foram sendo criados grupos de voluntários e, nos anos 90, houve a necessidade de se organizar melhor esses grupos.
“Na época, a solução foi que cada grupo formasse uma associação. No entanto, depois de 10 anos, essas associações começaram a criar problemas, porque não eram registradas, eram pequenas ONGs, captando recursos, sem obrigação de prestar contas, organizando as atividades que queriam, não necessariamente o que os pacientes precisavam.” Quem conta esta história é a Dª. Emília Rebelo, supervisora do INCAVoluntário. Ela adianta que o trabalho é árduo e que requer comprometimento. Hoje mais de 600 voluntários levam aos pacientes o que é mais importante: a solidariedade.

Portal do Voluntário – Como nasceu o INCAVoluntário?

Emília Rebelo – Em 98, o Jacob Kligerman, o novo diretor, me pediu que eu reformulasse o voluntariado. Então, por meio de estudos, criei um conceito de voluntariado junto aos presidentes das associações e dos profissionais – médicos, assistentes sociais, enfermeiras, psicólogos -, do INCA. Durante um ano, nos encontramos semanalmente e organizamos um novo voluntariado no INCA. Definimos o perfil do voluntário, que atividades seriam realizadas e quais os recursos seriam disponibilizados.

No final, foi decidido que as associações seriam extintas e seria criado o INCAVoluntário, que funcionaria como uma área de ações voluntárias dentro da estrutura formal do INCA.  Atualmente, cada presidente de associação cuida de uma área hospitalar, mas existe uma administração central que define as atividades que deverão ser feitas, em conjunto com os supervisores.

Portal do Voluntário – Qual a principal função do INCAVoluntário?

Emília Rebelo – Acolher e fazer com que aquele momento difícil pelo qual o paciente está passando se torne mais ameno. A nossa grande missão também é contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes, promovendo e apoiando atividades de inclusão social e resgate da cidadania.

Portal do Voluntário – Quantos voluntários atuam hoje no INCA e qual o perfil destes voluntários?

Emília Rebelo – São 600 voluntários, distribuídos nas cinco unidades do INCA. Esse voluntariado está praticamente profissionalizado. Temos processo de seleção estruturado e manual do INCAVoluntário. A maioria dos voluntários é composta de mulheres com um pouco mais de idade,  com o objetivo de doar um pouco de tempo. Em geral, têm parentes que já tiveram câncer. Nos evitamos candidatos que tenham parentes chegados em tratamento para evitar um envolvimento emocional muito grande.

Mas, de resto, qualquer pessoa acima de 21 anos, com disponibilidade de tempo de 4 a 5 horas por semana e que tenha um grande comprometimento com a causa e com a casa. Porque, no INCA, voluntário não trabalha quando quer ou quando pode. Aqui, os voluntários têm compromisso, têm que vir regularmente.

Portal do Voluntário – A realidade de um hospital que trata de câncer quase sempre é muito dura. Os voluntários do INCA recebem algum acompanhamento ou passam por algum tipo de treinamento para ajudarem os pacientes?

Emília Rebelo – Nós temos um processo de treinamento para os voluntários que consta de três reuniões. Na primeira, mostramos o que é o INCA e como funciona o INCAVoluntário e que atividades podem ser desempenhadas aqui. Durante essa primeira parte, desestimulo muitas pessoas, porque explico que tem que estar comprometido, não pode faltar. Além disso, muita gente vem para o INCA achando que pode arrumar um emprego de enfermeiro, psicólogo, e atividade de voluntário não é de profissional de saúde. Com isso, só vêm as pessoas que realmente querem, têm disponibilidade de tempo e mobilidade.

Na segunda reunião, os voluntários se inscrevem e escolhem as atividades de acordo com os horários e as unidades do INCA. Depois da inscrição, o voluntário conversa com o coordenador da atividade e, se for aceito, passa para a terceira fase, o treinamento.

O treinamento, que dura um dia inteiro, é uma mesa-redonda, com médico, enfermeira, psicólogo, assistente social e fisioterapeuta, sobre como será o trabalho. Inicialmente é um treinamento geral que depois passa a ser específico, onde o voluntário irá trabalhar. O trabalho é árduo e se o voluntário falta a alguma das etapas é desligado do processo.

Portal do Voluntário – Quais as principais ações desenvolvidas pelo INCAVoluntário?

Emília Rebelo – O voluntário pode trabalhar de várias formas no INCAVoluntário.

  • Apoio ao paciente no leito, atuando na questão da alimentação, vendo o que o paciente precisa, dando apoio assistencial, etc;
  • Recreação e lazer para adultos e crianças;
  • Oficinas de ajuda mútua para pacientes mastectomizados e laringectomizados. Pacientes se reúnem para discutir seus problemas e dúvidas;
  • Oficinas de Arte e Ofício. Em geral, pacientes perdem o emprego quando estão doentes e não sabem bem o que fazer. Nas oficinas, aprendem inglês, informática, música clássica, alfabetização e outras atividades;
  • Organização de festas. Todos os eventos são comemorados no INCA. Dia das mães, dos pais, das crianças, final de ano. Os voluntário ajudam na organização e na captação de recursos para a festa;


Portal do Voluntário – O INCAVoluntário também recebe doações. O que deve fazer quem quiser ajudar e que tipos de doações são aceitas?

Emília Rebelo – Nós aceitamos todo tipo de doação, porque o que não serve para dar ao paciente, vendemos em um bazar, desde roupa até móveis. Os itens para os pacientes precisam ser novos, apenas roupas podem ser usadas. Mas precisamos de materiais de higiene, creme, shampoo, sabonete, escova e pasta de dente. Assim como alimentos não-perecíveis para as bolsas de alimentos e materiais didáticos para as oficinas, brinquedos, revistas, livros, tecidos, bordados, e artigos de decoração para as festas. Precisamos também de equipamentos – cadeiras de rodas, cadeiras higiências, perucas, fraldas descartáveis infantis e geriátricas.

Além disso, aceitamos doações em dinheiro.
Agência Banco do Brasil: 3118-6
Conta: 16021-0

Portal do Voluntário – Qual a importância do trabalho dos voluntários para os pacientes do INCA?

Emília Rebelo – Aqui eles não recebem nada, mas o olhar dos pacientes, o reconhecimento dos funcionários do INCA, é o grande pagamento, é a grande alegria. Todo voluntário do INCA diz que quem ganha mais em ser voluntário é ele mesmo. Para mim, que sou funcionária, o papel do voluntário é fundamental. Eu não consigo mais ver o INCA sem os voluntários. Esse trabalho que eles fazem nenhum funcionário faz.

Para mais informações, acesse o site.
As inscrições para o INCAVoluntário abrem no dia 28 de maio e os interessados devem ligar para (21)39707962 ou (21)39707971